Share
A Galeria Choque Cultural abre exposição individual do artista Daniel Melim, dia 31 de agosto.
 

A galeria Choque Cultural abre, no dia 31 de agosto, às 11h, a exposição “Sem Título”, de Daniel Melim, na qual o artista, que acaba de regressar de Londres, onde realizou um projeto de arte pública em South Bank, exibe um díptico, telas de grandes formatos, uma instalação e, pela primeira vez em sua carreira, fotografias. A mostra fica em cartaz até o dia 05 de outubro.

Em “Sem Título”, Melim explora novos caminhos para sua pintura, transitando entre o figurativo e o abstrato. “O figurativo surge em cada tela, desconstruído, raspado, fora de registro, incompleto, manchado, escorrido. A desconstrução é também subjetiva, transformando imagens simbólicas em pedaços disformes a serem reconstituídos sem a menor cerimônia”, analisa o curador Baixo Ribeiro.

As imagens trabalhadas pelo artista fazem parte do imaginário popular, de fácil digestão, retiradas de compêndios de propaganda dos anos 50 ou reminiscências da cultura punk/hardcore. Nas obras, elas se tornam pedaços colados, de sentido indeterminado, atemporais, tendo como principal técnica o stencil.

Além das telas, Melim apresenta na exposição uma instalação com azulejos e quatro trabalhos nos quais o artista recicla partes das máscaras de stencil recortadas e sujas de tinta para criar construções que sublinham os vazios entre-desenhos.

A grande novidade em “Sem Título” é uma série de fotografias – primeira vez que Daniel Melim exibe obras nesse suporte. A série é composta por oito imagens em que o artista cria uma narrativa bastante pessoal acerca de suas intervenções no espaço urbano, além de serem seu registro.

Daniel Melim tem como uma de suas principais referências os antigos clichês da publicidade. A partir de imagens que vendem um mundo feliz de consumo, faz uma leitura crítica. Pensa diversos elementos, incluindo o significado propriamente dito daquilo que cria e as composições visuais que articula. Nem sempre o símbolo é o mais importante. Não raro, o estético é preponderante. Além disso, o desfocado e o desfigurado, ao constituírem ruídos na comunicação linear, são recursos que o artista costuma aproveitar em seu procedimento criativo, na construção de uma poética própria.

COMO? ONDE? QUANDO?
GALERIA CHOQUE CULTURAL
Onde? Rua Medeiros de Albuquerque, 250, Vila Madalena, São Paulo – SP
Quando?  De 03 de setembro a 05 de outubro de 2013. Horário: segunda-feira a sábado, das 11h às 18h
Quanto? Entrada gratuita
Share